Já viu o novo do Spike Lee? Tem na Netflix

Como era de se esperar, Destacamento Blood, novo filme de Spike Lee, é consistente, atual e impecável.

Os filmes hollywoodianos apresentam a guerra do Vietnã como uma guerra constituída de homens brancos lutando por seus direitos, enquanto suam pelos poros um patriotismo bobo. Não há como não se lembrar dos “Rambos” de Sylvester Stallone. Mas, na vida real, enquanto os negros constituíam apenas 11% da população americana, nas tropas da guerra fora das telas totalizavam 32%. Soldados brancos lutavam por supostos direitos que não possuíam em solo americano, enquanto Martin Luther King era assassinado em Tennessee.

Nesse contexto oscilando entre traumas de guerra e desigualdade racial americana se desenrola a trama de Destacamento Blood, novo filme de Spike Lee que estreou no serviço de streaming Netflix. Como em seu filme anterior, Infiltrado na Klan – 2018, que ganhou o Oscar de melhor roteiro, Lee faz de sua direção uma denúncia e expõe o que há de mais podre nas relações sociais e políticas norte-americanas, dando ênfase ao ponto de vista de homens negros.

O roteiro de Danny Bilson e Paul DeMeo é dividido em três partes: o reencontro dos veteranos, a busca pelo ouro e a fuga. A trama toda se desenvolve em torno da história de Paul (Delroy Lindo), Otis (Clarke Peters), Melvin (Isiah Whitlock Jr.) e Eddie (Norm Lewis), quatro veteranos de guerra negros que voltam ao Vietnã para buscar os restos mortais do seu antigo comandante, Stormin’ Norman (Chadwick Boseman) e, secretamente, buscar um baú cheio de ouro que esconderam durante uma batalha. Todos eles se denominavam Bloods.

A belíssima direção de fotografia é de Newton Thomas Sigel (Bohemian Rhapsody – 2018), criando tratamento de cores diferentes de acordo com a época em que a cena acontece. Há também no filme uma homenagem a Apocalypse Now de Francis Ford Coppola.

Destacamento Blood vai além em sua abordagem sobre o preconceito racial em uma política caolha envolvendo a guerra do Vietnã. Rapidamente, desde o início, o filme nos arrasta para essa podridão de um sistema que corrompe tudo e todos, sem que ninguém ganhe alguma coisa, no fim das contas.

Mais que um soco no estômago, Destacamento Blood é uma mina prestes a explodir em nossos pés. Um filme essencial em nossos dias sombrios.

Marcelo Minka

Graduado em licenciatura em Artes Visuais, especialista em Mídias Interativas e mestre em Comunicação com concentração em Comunicação Visual. Atua como docente em disciplinas de Artes Visuais, Semiótica Visual, Antropologia Visual e Estética Visual. Cinéfilo nas horas vagas.

Foto: Divulgação

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *