Influenciadores

Artistas sempre influenciaram outros artistas e a sociedade em geral. Esse aspecto já é, há tempos, muito normal na Europa e Estados Unidos, países em que a arte tem importância sobretudo comercial.

Obras começaram a ser comercializadas com mais frequência, quando inventou –se a tela de tecido. Muito mais fácil de ser carregada do que os retábulos pesados (retábulos são quadros divididos em duas ou mais partes feitas de madeira). Já existia um grande comércio para as obras de arte, isso na Idade Média quando artistas faziam o papel de ourives, estilistas, marceneiros, etc. Existiam as “oficinas de arte” e geralmente os artistas não assinavam suas obras.

Tudo mudou com o Renascimento (leia-se 1400 por aí), aonde a classe dos comerciantes começou a tomar o poder e, não sendo nobres, além das fortunas que obtinham por meio do comércio, precisavam de adquirir cultura e conhecimento, o velho “saber é poder”. Fundaram faculdades, aonde se estudava medicina, matemática, artes, arquitetura…E começou também um fenômeno que iria definir a diferença de artesão e de artista plástico.

Um dos exemplos mais marcantes foi o de Michelangelo Buonarroti, um dos artistas mais longevos e influentes da sua época.  Lá pelos idos de 1475, nasceu em Caprese, na Itália, e morreu em 1574 em Roma. Michelangelo foi um dos artistas mais influentes do mundo e sua arte sobrevive até hoje. É possível conhecer um período fantástico do artista através do filme “Agonia e êxtase”, com o grande ator Charlton Heston, de 1965.

Na wikipedia tem uma biografia completíssima sobre a vida e arte de Michelangelo. A dica de hoje é que os filmes, apesar de romantizados, trazem de uma forma mais acessível a vida dos artistas. E para se conhecer verdadeiramente suas obras é muito interessante conhecer o ser humano por trás delas, lembrando que a arte tem o poder de sublimação, de fazer com que os artistas alcancem, com alguns trabalhos, níveis profundos da psique humana.

N época em que vivemos de “influencers” como os “blogueiros”, podemos até imaginar que isso é uma criação dos nossos tempos, mas não! O ser humano não mudou tanto assim. O que muda são os meios! De jornais ou revistas, estamos na era da internet, e agora a informação chega em tempo real. Mas sempre existiram os “influenciadores” seja na política ou no mundo das artes.

Já no nosso século, um dos artistas mais influentes foi Pablo Picasso, espanhol e um dos criadores do movimento cubista. Muito comum na Europa, um movimento de artes acontecia em todos o meios sociais. Para se ter uma ideia, quando o cubismo surgiu, era comum assistir uma peça de teatro cubista ou ir em um restaurante que servia comida cubista…Claro que estamos falando da parte filosófica e estética do movimento cubista! E assim aconteceu com outros movimentos.

Os artista, por uma série de fatores, aqueles que tinham interesses em comum, se reuniam e criavam manifestos. Esses eram colocados nos jornais e revistas, logo o grupo de artistas fazia exposições, atraindo os olhares do público e dos críticos de arte, esse movimento expandia –se e dele saíam peças de teatros, artigos de revistas, livros, moda, arquitetura …

Podemos citar outros como Mondrian, cujas obras fizeram tanto sucesso com seu estilo abstrato geométrico que viraram roupas, construções, móveis e ainda influenciam até hoje.

O movimento expressionista, por exemplo, que começou na década de 20, durou quase 20 anos na Europa e espalhou –se pelo mundo, justamente por causa das grandes guerras. Ele foi uma das origens das mudanças de padrões vigentes da estética e dele originou –se outros movimentos importantes não só para as artes, mas para o mundo.

No Brasil, também tivemos movimentos importantes tais como o modernismo, o movimento concreto dos anos 60 e 70, a tropicália, que além de atingir a música veio com tudo com Hélio Oiticica e suas obras. Infelizmente, por aqui o valor da cultura é tão pouco, que as pessoas não conseguem perceber as fontes de onde saem a moda, as músicas que ouvem a cor que usam e até os livros que leem, quando leem!

Lógico que não estou dizendo que somos TODOS ignorantes! Mas em um país que a corrupção ainda corre solta e que a cultura é uma grande inimiga de quem quer que o povo continue na ignorância, vai demorar para as pessoas perceberem e fazerem as pontes necessárias que liguem a arte ao dia a dia delas.

Aqui inclusive, um dos grandes influenciadores são as novelas, vale observar que até a moda é influenciada por elas. Quem nunca procurou “aquela roupa do personagem tal” ou “aquele “brinco da vilã tal”!? Aliás, vilãs de novelas fazem um sucesso absurdo! Creio eu que valeria a pena estudar esse aspecto na nossa sociedade!

E não se engane! Por trás da sua novela favorita está uma gama de profissionais da arte envolvidos, desde estilistas a escritores!

Se ninguém nunca pensou nisso, seria bem interessante pesquisar de onde vem inclusive aquele seu moletom velhinho que você usa quando está em casa…Certeza que tem um artista envolvido!

Bom resto de semana chuvosa para todos!

Foto:

Angela Diana

Sou londrinense e me dedico à arte desde 1986 quando pisei pela primeira vez no atelier de Leticia Marquez. Fui co-fundadora da Oficina de Arte, em parceria com Mira Benvenuto e atuo nas áreas de pintura, escultura, desenho e orientação de artes para adolescentes e adultos.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *