Encontro avaliará cortes de recursos federais na pesquisa da UEL

Reunião será às 16 horas, no CCH, com participação de reitor 

Agência UEL

Estudantes, professores e coordenadores dos cursos de Pós-graduação Strictu sensu da UEL se reúnem nesta quinta-feira (12) para analisar as consequências frente aos cortes de recursos para pesquisa que deverão ocorrer neste segundo semestre e a partir de 2020, conforme anunciado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), no início deste mês. A reunião será realizada a partir das 16 horas, na Sala de eventos do Centro de Letras e Ciências Humanas (CCH), coordenada pelo reitor da UEL, Sérgio Carvalho, acompanhado pelo Pró-reitor de Pesquisa e Pós-graduação (Proppg), Amauri Alfieri, e por demais diretores da Pró-reitoria.

Segundo a diretora de pós-graduação da Proppg, professora Sílvia Meleti, na semana passada foi solicitado aos coordenadores dos programas que levantassem informações sobre este possível impacto. Durante o encontro a Proppg deverá apresentar o quadro, demonstrando em números as consequências para a produção científica e na economia local e regional, a partir do contingenciamento dos órgãos federais de fomento (Capes e CNPq).

Para se ter uma dimensão sobre as possíveis consequências econômicas, em todo o Brasil, o novo corte da Capes deverá atingir 5.613 bolsas de mestrado, doutorado e pós-doutorado, a partir deste mês. Este foi o terceiro comunicado do gênero. Ao todo, a Capes deixará de disponibilizar cerca de 11 mil bolsas e não serão aceitos novos pesquisadores em 2019.

O Ministério da Educação divulgou que em 2020 a Capes só terá metade do Orçamento de 2019, ou seja, foram reservados R$ 2,2 milhões frente aos R$ 4,25 bilhões previstos este ano. A Coordenação sofreu ainda R$ 300 milhões de recursos contingenciados em 2019.

Foto: Pixabay

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *