“É que trago a vida aqui na voz”

Sou o tipo de pessoa que não pode passar trote ao telefone. Minha voz é inconfundível e confesso que tenho dificuldade em ouvi-la em gravações. Estico as vogais, desafino, subo e abaixo o tom, tudo isso numa frase de três palavras. Se estou nervosa, então, é um desastre, ela geralmente falha. Quem já me ouviu, certamente concorda.

Assim como nossas impressões digitais, nossas vozes são únicas. Não é preciso saber do processo mecânico da construção da voz, que é produzida na laringe, para ter certeza de que ela marca uma identidade, traduz personalidade, é única e se revela pelas emoções.

A voz é tão importante que tem até um dia para chamar de seu, 16 de abril, mesmo dia do aniversário da minha irmã, que aliás, tem a voz parecida com a minha. Por sua vez, nossos timbres são parecidos com o da nossa mãe.

A única certeza que a ciência tem é que pessoas da mesma família podem apresentar vozes muito parecidas por causa das semelhanças anatômicas. Além da anatomia, segundo os fonoaudiólogos, a voz depende de fatores culturais e familiares. Além disso, todos nós usamos modulação, articulação, respiração e ressonância de jeitos diferentes e isso também faz com que a voz seja única.

Também dizem os especialistas que, no jogo amoroso, os homens são visuais e as mulheres são auditivas. Por isso que não adianta nada um homem ser bonito e mal dublado, já dizia minha filha. É que o cérebro feminino é mais sensível à audição. Dessa forma, a voz, a conversa e a comunicação verbal são muito importantes num primeiro encontro. Nada mais sensual como uma boa conversa, não é mesmo, meninas?

Estudo realizado pela Universidade de Aberdeen, no Reino Unido, e publicado na revista Memory & Cognition mostrou que vozes masculinas mais graves, além de serem as preferidas pelas mulheres na hora de escolher o parceiro, podem ter influência na memória feminina. Nesse estudo, vozes masculinas agudas e graves, reais e geradas por computador, foram associadas a diferentes objetos, e os resultados apontaram que as mulheres se lembraram mais dos objetos associados às vozes masculinas graves.

Em outro estudo, realizado nos Estados Unidos, pesquisadores gravaram as vozes de 149 voluntários, homens e mulheres, e classificaram-nas em uma escala que ia de “nada atraente” até “muito atraente”. No resultado, notou-se que as vozes consideradas mais atraentes eram de pessoas com características físicas que também faziam mais sucesso.

Em mais um estudo, desta vez da Universidade de Glasgow, avalia que são necessários apenas 390 milissegundos de voz para o ser humano fazer uma ideia da personalidade do seu interlocutor, e isso ocorre sem a pessoa se dar conta. Esse fato parece obedecer fatores evolutivos que o ser humano desenvolveu para saber de imediato se pode ou não pode confiar em alguém.

Mas eu me derreto mesmo é diante de quem tem voz para cantar. Não existe nada mais lindo. Tenho particular apreço por vozes femininas, das limpas e claras até as mais roucas. E amo uma música do Caetano Veloso na voz da Gal Costa – uma das vozes mais lindas que conheço – que diz: “minha voz, minha vida, meu segredo, minha revelação, minha luz escondida , minha bússola e minha desorientação “. E termina com a seguinte frase: “é que eu trago a vida aqui na voz”.

Raquel Santana

Já foi jornalista, acha que é fotógrafa, mas nesses tempos de Covid-19 ela só quer sombra e água fresca no aconchego do seu lar. Vendo seriados, óbvio!

Foto: Pixabay

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *