A peste e a arte

Com todo esse surto do coronavírus que o mundo está passando, me veio a mente o artista Hieronymus Bosch! Bosch era contemporâneo de Da Vinci, Michelangelo e outros grandes! Pouquíssimo se conhece sobre ele, mas o que ele deixou causa espanto até hoje!

Um de seus trabalhos mais famosos é o “Jardim das Delícias”, um tríptico (obra feita em três partes), e a figuras fantásticas, monstros híbridos, espécies bizarras e sinistras nos remetem a um universo simbólico e metafórico, uma repetição do pecado original de Adão e Eva. Existe também um pessimismo profundo e uma inocência tocante, fez-se que Bosch era um moralista inflexível, mas nem todas suas figuras são assim. Algumas são extremamente sensuais…

O porquê de me lembrar especificamente dele? Talvez, de todos os artistas que eu conheço, ele é um dos que mais descrevem esse senso de tragédia e fim do mundo…ele é uma lembrança de que o mundo já passou por muitas pestes..como a peste negra, a gripe espanhola, a AIDS… E agora em face dessa quarentena mundial, quantas pessoas não estão pensando que é o fim do mundo?

Cristo carregando a Cruz, de Bosch

Figuras sinistras da peste aparecem em abundância em várias fases da história da arte, às vezes como uma caveira, como os símbolos de veneno, mas uma das formas mais interessantes são o dos seres híbridos…E eles estavam muito distantes do tempo em que o ser humano iria descobrir o código genético e fazer experiências entre as espécies diversas! 

Vocês sabiam que muitas figuras estranhas de bichos aconteciam apenas porque o artista não conhecia a forma original? Claro que, na sua grande maioria, os grandes mestres sabiam exatamente o que estavam fazendo…Principalmente na Idade Média, em que a religião era o foco e o assunto céu e inferno eram muito importantes, os artistas tinham um manancial de figuras e temas aterrorizantes para usar!

A Carroça de Feno, de Bosch

Cada fase da nossa história da humanidade trouxe suas pestes, guerras, dúvidas, céu e terra, paraíso e inferno…. O mais importante é que, além de sobrevivermos, escrevemos na forma de imagens toda nossa evolução…ou involução…e deixamos para quem ainda não passou por nada disso um pouco de esperança, de que tudo passa!

E nesse momento de quarentena indico uma série muito bacana! Chama- se Genius e conta as vidas de Einstein (primeira temporada) e Picasso (segunda temporada). A meu ver, combina muito com o momento que estamos passando! Saúde e paz para todos!

Angela Diana

Sou londrinense e me dedico à arte desde 1986 quando pisei pela primeira vez no atelier de Leticia Marquez. Fui co-fundadora da Oficina de Arte, em parceria com Mira Benvenuto e atuo nas áreas de pintura, escultura, desenho e orientação de artes para adolescentes e adultos.

Fotos: Reproduções da internet

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *