Procura por cursos on-line dispara e alunos aprendem redação pela internet

Mais de 1,7 milhão de brasileiros já se matriculou em um curso on-line

O LONDRINENSE com assessoria

Desde que a quarentena compulsória por conta da pandemia do coronavírus obrigou alunos e estudantes a ficarem em casa, assim como toda a população, a matrícula em cursos à distância aumentou consideravelmente. De acordo com dados Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), mais de 1,7 milhão de brasileiros se matriculou num curso on-line, o que representa mais de 20% do total de matrículas nessa modalidade.

No esteio dessa tendência, o jornalista, filósofo e professor Fábio Luporini lançou, recentemente, um curso on-line de redação, voltado a estudantes de ensino médio e pré-vestibular e a quem está se preparando para fazer algum concurso público, ambos com necessidade de escrever uma boa redação nas respectivas provas. “A ideia é que as pessoas aprendam técnicas e dicas de uma boa escrita para aplicar nas provas que farão”, explica.

O curso, gravado e publicado pela Agência 87, de Londrina, tem seis módulos com cerca de quatro a seis aulas, cada qual com média de cinco a oito minutos. “São aulas curtas e objetivas para que o aluno não perca tempo e aprenda de forma rápida e eficaz”, afirma Luporini. Entre os conteúdos, dissertação, carta e diferentes gêneros textuais, além de conectivos e outros elementos textuais.

“A pandemia potencializou um comportamento que já estava em ocorrendo, que é o de assistir a cursos on-line”, ressalta. Uma das vantagens é que o aluno, ao comprar o curso, que custa R$ 297 e pode ser dividido em parcelas, tem até um ano para assistir as aulas. “A plataforma gera uma senha e deixa o curso liberado para ele durante um ano. Portanto, o estudante pode ver e rever quantas vezes quiser e de qualquer meio: computador, smart TV ou celular.”

Ivan Dias, da Agência 87, afirma que esta é uma tendência no Brasil. “O aumento do uso de tecnologia no ensino e as facilidades que ela propicia, são fatores que contribuem enormemente com o crescimento do mercado à distância. A pandemia potencializou um comportamento que já estava ocorrendo, que é o de assistir a cursos online”, ressalta. “A diminuição de custos e o desperdício de tempo são fatores de grande peso nesse mudança de método de capacitação”, diz.

A possibilidade de poder assistir ao curso no período de um ano é uma grande vantagem, principalmente no contexto em que o Brasil está vivendo. O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que seria em novembro, será adiado entre 30 e 60 dias, assim como muitos vestibulares foram adiados ou até cancelados. “Então, se a pessoa compra o curso hoje, ela terá até o ano que vem para assistir, ou seja, até depois dos vestibulares, quantas vezes quiser e puder”, avalia Dias.

O estudante Mateus Perfeito Ribeiro tem 17 anos e está fazendo intercâmbio na Alemanha. Ele volta ao Brasil em junho deste ano, mas, já está se preparando para o vestibular, de lá do exterior mesmo. “O que eu mais gosto desse curso é que as aulas são curtas, não têm enrolação. O conteúdo é forte e vai direto ao ponto, tem bastante fundamento, o que muitos outros cursos on-line não têm”, ressalta. Como os vestibulares e o Enem estão sendo adiados, ele ainda não decidiu exatamente o que vai fazer. Apesar disso, a redação é importante para qualquer curso e o que vale é aprender. “As aulas não são entediantes, então a gente assiste e aprende bem de forma rápida.”

Serviço: para adquirir o curso, basta acessar este link.

Outras informações: http://cursoredacaonota1000.com.br/

Foto: Acervo pessoal

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *