Ambiente escolar diferente estimula a aprendizagem

Imagine que, sendo um aluno, você chegue à escola e se depare com uma sala de aula diferente. No lugar das cadeiras e carteiras, pufes coloridos ou tapetes confortáveis para que os alunos se sentem no chão mesmo. Num canto, uma cesta com livros, revistas, gibis e mangás. O quadro de giz, que já está ultrapassado, foi substituído por um com tela interativa e touch para que os alunos, orientados e acompanhados por um professor, possam pesquisar assuntos ligados ao conteúdo. Sonho? Uma realidade muito mais presente nos nossos dias do que pensamos.

O ambiente escolar tem de deixar de ser um trabalho de marketing para se tornar verdadeiramente um projeto de ensino. Afinal, os estudantes passam, em média, de 4h a 5h por dia dentro de uma escola, quando não têm atividades extracurriculares ou não estão em período integral. Por isso, é preciso criatividade para deixa-los à vontade e com liberdade para assimilar os conteúdos e desenvolver os estudos! Veja que eu disse criatividade. Por uma razão muito simples: há colégios que não têm recursos suficientes para investir num ambiente diferenciado.

Não há problema! Com criatividade, doações e boa vontade, a gente consegue preparar salas que estimulem os alunos a gostarem cada vez mais de ir para a escola e de estudar. Seja um sofá doado por algum pai, seja com uma campanha de doação de livros e gibis. O importante é estar antenados no que essa criançada de hoje em dia se liga. Uma mobília diferente já dá um ar novo. E, dependendo do modo como se organiza o espaço, é possível criar um ambiente acolhedor, funcional e aberto a discussões de trabalho colaborativo. Não existe perfil mais ideal para o mundo em que nós vivemos: todo mundo ajudando a todos.

Não é segredo pra ninguém que um ambiente diferente estimula a aprendizagem. Já vi experiências de professores que levaram seus alunos em locais diversificados: crianças de Jerusalém estudam História no Muro das Lamentações; estudantes visitam zoológicos em cidades que têm esses lugares recheados de animais; visitas a planetários, museus e parques, entre tantos outros exemplos. Ou simplesmente dar uma aula ao ar livre. Faz toda a diferença!

Foto: VisualHunt

Tiago Mariano 

Formado em História pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), pós-graduado em Ensino e História. Atualmente ministra aulas no Colégio Estadual Olavo Bilac, em Cambé, no Colégio Maxi, em Londrina, e é coordenador pedagógico da startup londrinense EducaMaker. Em 2018, foi premiado pela Google for Education (2018) com o primeiro lugar nacional no Programa Boas Práticas pela criação de um método de formação de alunos de alta performance.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *